Gravidez o que esperar em cada mês
Etapas da Gravidez

Gravidez: o que esperar em cada mês

Saiba com que contar em cada uma das principais fases da gravidez. Conheça todos os sintomas, exames e cuidados a ter neste guia de gravidez mês a mês.
A gravidez pode ser uma verdadeira aventura, especialmente para os pais de primeira viagem. Surgem sempre muitas dúvidas relativas à gestação e aos sintomas comuns em cada etapa. Por isso, reunimos todos os sintomas, cuidados e informações relevantes, num guia da Gravidez Semana a Semana.

O 1º Mês de gravidez: a confirmação

As primeiras quatro semanas de gravidez são marcadas pelo processo de ovulação, fecundação e implantação do óvulo fertilizado.

Ovulação, Fecundação e Implantação

Durante a relação sexual, são lançados na vagina cerca de 100 a 200 milhões de espermatozoides. Deste grupo, apenas uma pequena parte dos espermatozoides progride até ao útero e chega às trompas de Falópio, responsáveis por ligar os ovários ao útero.

Quando o óvulo se liberta do ovário (ovulação), por volta do 14º dia do ciclo menstrual, é captado pela trompa permitindo o potencial contacto com os espermatozoides.

A fecundação, que consiste na fusão do espermatozoide com o óvulo, dá então origem ao zigoto (1º célula com material genético materno e paterno). Esta célula rapidamente se multiplica, formando o embrião. Depois, entre o 5º e o 7º dia após a ovulação, o óvulo implanta-se no útero (implantação), fixando-se nas suas paredes. É aqui que a célula se vai desenvolver e crescer até ao nascimento.

Falta Menstrual

A falta menstrual refere-se à ausência de menstruação na data prevista e é um dos primeiros sinais de que pode estar grávida.

É importante relembrar que nem sempre a falta menstrual significa gravidez, pois existem inúmeras outras razões para essa ausência como ciclos irregulares, distúrbios hormonais, ou utilização de determinados medicamentos. No entanto, nas mulheres em idade fértil, a principal causa de atraso menstrual é a gravidez, pelo que, devem realizar um teste de gravidez.

Teste de gravidez

O teste de gravidez deve ser realizado quando o atraso menstrual é de, pelo menos, uma semana. Se for feito logo nos primeiros dias após a falta menstrual pode dar um resultado falsamente negativo.

Existem 2 tipos de testes de gravidez:

  • Teste de urina: que pode ser realizado na farmácia, em casa ou num laboratório de análises. Os resultados são bastante fiáveis, mas há que otimizar a realização do teste: fazê-lo 1 semana após a falta menstrual e usar preferencialmente a primeira urina da manhã. Se o teste for negativo e continuar sem menstruar, deve repeti-lo após outra semana ou realizar um teste sanguíneo.
  • Teste sanguíneo: é realizado num laboratório de análises clínicas. Os resultados deste teste permitem ter a confirmação da gravidez antes mesmo da falta menstrual. No entanto, na maioria das situações, este exame é escusado pois é mais dispendioso e implica uma colheita de sangue desnecessária.

Tamanho do bebé

Na 4º semana de gestação, o bebé tem o tamanho aproximado de uma semente de chia ou de papoila.
gravidez-primeiro-mes-confirmacao
2º Mês de Gravidez: as primeiras náuseas

Neste período, aparecem os primeiros sintomas claros, devem ser iniciadas as consultas  e assiste-se ao início do desenvolvimento do embrião.  Descubra como identificar e reduzir os sintomas.

Os primeiros sintomas

Durante a gravidez ocorrem uma série de alterações ao nível de praticamente todos os órgãos e sistemas da mulher, causadas por uma série de mudanças hormonais, típicas deste período. Estes são os sintomas mais frequentes nesta fase de gestação:

Náuseas e vómitos

São dos sintomas mais frequentes, afetando cerca de 50 a 90 % das grávidas. Tipicamente, iniciam-se por volta das 5-6 semanas e, em regra, desaparecem após as 12-16 semanas. No entanto, podem continuar até ao final da gravidez (o que acontece em 15 a 20 % das grávidas). Estes sintomas são mais frequentes de manhã, em períodos de jejum ou situações específicas como escovar os dentes ou na presença de cheiros ativos. Têm tendência a melhorar ao longo do dia.

Para minorar os sintomas, é recomendável fazer pequenas refeições frequentes, comer antes de se levantar (ex. ter bolachas de água e sal na mesa de cabeceira), evitar odores intensos e evitar períodos de jejum prolongado. Quando estas medidas gerais não são suficientes pode ser necessário tomar medicamentos que atenuam os sintomas. Para saber quais são, deve consultar o médico.

Tensão mamária

Pode ser dos primeiros sinais de gravidez. As mamas ficam tensas, dolorosas e podem aumentar de volume. Estas alterações devem-se à ação das hormonas: HCG, Progesterona e estrogénios.

Sono e cansaço

As grávidas no primeiro trimestre sentem-se mais cansadas e têm mais sono do que em circunstâncias normais. Estes sintomas melhoram geralmente no segundo trimestre. Deve estar atenta a estes sintomas e procurar ajuda médica rapidamente se:
  • Existirem outros sintomas, como febre, diarreia, dor abdominal ou vertigens;
  • Os vómitos forem tão frequentes que a impeçam de se alimentar ou beber líquidos.

A primeira consulta pré-natal

É nesta altura que deve realizar a primeira consulta pré-natal. Na primeira consulta, o médico fará uma série de perguntas sobre a sua história clínica e sobre a situação atual. É importante registar e saber quando foi o primeiro dia da sua última menstruação, de modo a poder datar a gravidez. Quando existirem dúvidas sobre a data da última menstruação pode ser feita uma ecografia inicial.

Por volta das 5-6 semanas começa a ser possível observar os batimentos cardíacos

Nesta altura, é geralmente feita a observação ginecológica e eventualmente a citologia do colo uterino, caso a última tenha sido realizada há mais de 1 - 2 anos. Ser-lhe-ão pedidas as primeiras análises de rotina, que deve fazer em jejum. Depois de todas a análises, deve cumprir estas recomendações de alimentação:
  • Manter uma dieta variada;
  • Evitar passar mais de 3 horas sem comer;
  • Beber, pelo menos, 1,5 a 2 litros de água e 500 a 750 ml de leite por dia;
  • Evitar os alimentos açucarados (bolos, gelados, bolachas, etc.);
  • Evitar refrigerantes ou bebidas gaseificadas;
  • Não fumar nem beber álcool;
  • Tomar café apenas se estiver habituada (até 2 chávenas por dia);
  • Não contactar com gatos;
  • Não comer carne passada, enchidos ou fumados;
  • Evitar alimentos provenientes da terra (vegetais, morangos, etc.) mal lavados;
O desenvolvimento do embrião

A partir das 4-5 semanas é possível observar um pequeno saco gestacional dentro do útero, através da ecografia. A primeira estrutura a ser visível é a vesícula vitelina e, em seguida, o embrião. Por volta das 5-6 semanas começa a ser possível observar os batimentos cardíacos. A frequência cardíaca do embrião é mais elevada que a do adulto e ronda os 150 batimentos por minuto.

Nesta altura ocorre a organogénese, ou seja, a formação dos órgãos e tecidos. É um período de grande suscetibilidade, devendo evitar a exposição a agentes potencialmente nocivos (ex: radiação e determinados medicamentos).

Na semana 5 de gravidez, o bebé tem o tamanho aproximado de uma semente de sésamo. Na semana 8, o bebé já tem aproximadamente o tamanho de um feijão.
3º Mês: o batimento do coração!

O período entre as 8 e as 12 semana de gravidez é a fase mais delicada do desenvolvimento embrionário.

O fim do primeiro trimestre é também caracterizado por algum mal-estar e sintomas como náuseas e vómitos, começando a sentir algum alívio da tensão mamária. É nesta fase que se realiza a primeira ecografia de rotina e que começa a ouvir o batimento do coração do bebé! Estes são os sintomas e exames a realizar.

Sintomas

As náuseas e vómitos mantêm-se, em regra, até às 12 semanas, atingindo o auge às 9 semanas. A tensão mamária tem tendência a melhorar nesta altura embora o volume mamário se mantenha aumentado.

O sono e o cansaço mantêm-se, também, até ao final do 1º trimestre (12 semanas) melhorando em seguida progressivamente.

Exames a realizar

A primeira ecografia de rotina é realizada entre as 11 semanas e as 13 semanas + 6 dias, e tem como objetivos:

  • Verificar se é uma gravidez de feto único ou se são gémeos
  • Verificar se a gravidez é evolutiva, ou seja, se o feto está vivo
  • Excluir a existência de malformações graves de aparecimento precoce (ex: ausência de crânio ou de um membro)
  • Medir a translucência da nuca , para rastrear a existência de trissomia 21
Pode, opcionalmente, ser realizado outro teste de trissomia 21 chamado rastreio combinado do primeiro trimestre, também conhecido como rastreio bioquímico ou pré-natal. Este exame consiste na colheita de sangue para se determinarem as concentrações de duas substâncias, B-HCG livre e PAPP-A.

Neste caso, a colheita deve ser realizada entre as 9 e as 13 semanas + 6 dias. Caso os resultados dos testes de rastreio sejam positivos, é oferecida a possibilidade de a grávida realizar um teste de diagnóstico.

Estes testes de diagnóstico são invasivos e associam-se a risco de aborto, pelo que, não são realizados a todas as grávidas, ficando reservados para situações que os justifiquem como acima explicado.


O desenvolvimento do embrião/feto

Por volta das 10 semanas o embrião adquire uma forma humana reconhecível com cabeça, tronco e membros e passa a chamar-se feto.

A cabeça representa mais de metade do comprimento total, os órgãos continuam a desenvolver-se e até já se movimenta.

Nesta fase começa a formação dos dedos e a definição do esqueleto, sendo os ossos já percetíveis pelas 12 semanas. E o melhor de tudo: já consegue ouvir o coração do bebé.

O tamanho aproximado do bebé é de uma cereja na semana 9 até ao de uma lima na semana 12.
gravidez-semana-a-semana-batimento-cardiaco
4º Mês: um salto no desenvolvimento

O 2º trimestre de gravidez traz alguma paz e tranquilidade. O período mais sensível do desenvolvimento do embrião está ultrapassado e os sintomas e incómodos iniciais começam a desaparecer. Sente mais energia e apetite, pelo que deve reforçar a suplementação, adotar uma dieta equilibrada e fazer algum exercício físico. Apesar de o bebé se desenvolver bastante e de as roupas começarem a deixar de servir, a gravidez ainda não é muito visível. 

Descubra os exames e sintomas nesta fase, bem como o que esperar do desenvolvimento do feto.

Sintomas

Os sintomas do primeiro semestre, como os enjoos matinais, já desapareceram e o peso do bebé ainda não provoca grande fadiga física. No entanto, é normal surgirem outros sintomas e incómodos. Os mais habituais são obstipação, hemorroidas e dores no útero.

Suplementos

Deve manter a toma do ácido fólico e iniciar a suplementação de ferro. A partir das 16-18 semanas, as necessidades de ferro aumentam significativamente e o que é consumido através da dieta já não é suficiente.

A maioria dos preparados com ferro devem ser tomados fora das refeições para melhorar a absorção. O ferro pode ser ingerido sob a forma de comprimidos ou de ampolas bebíveis. Deve ainda contar com sintomas gastrointestinais como obstipação, dores abdominais ou náuseas. As fezes tornam-se geralmente escuras (quase pretas) mas isso não é preocupante.

Exames a realizar

É nesta fase da gravidez que se conhecem os resultados dos exames anteriores, isto é, da ecografia das 12 semanas e do rastreio combinado do 1º trimestre.

O desenvolvimento do feto

Nesta fase, o bebé dá um pulo significativo no que diz respeito ao seu desenvolvimento.
  • A cabeça ainda é desproporcionalmente grande relativamente ao corpo e o rosto começa a modelar-se.
  • Alguns cabelos verdadeiros podem já ser observados, as pálpebras que protegem os globos oculares estão formadas e o feto é capaz de engolir.
  • Aparecem unhas nos dedos e os genitais externos já se encontram definidos.
  • O aparelho urinário já está formado e começa a produzir urina.
  • O sistema nervoso está em desenvolvimento, aparecendo as terminações nervosas sob a pele.
5º Mês de gravidez: primeiros movimentos

É por volta das 18 semanas de gravidez que se começam a poder sentir os primeiros movimentos do bebé – um dos momentos mais especiais e emocionantes. Como são muito subtis, em alguns casos, estes movimentos são confundidos com deslocações intestinais e pode não perceber que é o bebé a mexer. Fique atenta a estes sintomas.

Sintomas

Geralmente esta fase da gravidez apresenta-se sem sintomas significativos, embora muitas grávidas refiram um aumento do apetite no 2º trimestre.

É necessário manter uma dieta equilibrada e não esquecer de comer regularmente e em pouca quantidade de cada vez, evitando os alimentos açucarados.

Além dos movimentos do bebé, é normal sentir alguma dor abdominal ligeira. Os ligamentos dos dois lados do útero vão esticando conforme o feto vai crescendo.

Acompanhamento médico

A partir das 15 semanas pode ser realizado, opcionalmente, outro teste de rastreio chamado rastreio bioquímico do 2º trimestre.  

Esta análise de sangue determina as concentrações de certas proteínas, como HCG, alfafetoproteína, inibina e estriol, e permite avaliar o risco de trissomia 21. Tem uma sensibilidade menor que o rastreio do 1º trimestre, mas pode ser usado como um complemento, ou ainda, no caso de ter falhado a realização do teste do 1º trimestre. 

O bebé está a crescer!

A pele que se vai formando é lisa e transparente e os primeiros pelos começam a surgir. Nestas semanas, todos os órgãos estão formados e a multiplicação das células nervosas aumenta rapidamente.

O feto movimenta-se com facilidade e já consegue ter movimentos de sucção do polegar. Às 20 semanas, o útero tem agora o triplo do tamanho inicial, começando a crescer pouco mais de um centímetro por semana até ao parto.  O feto pesa aproximadamente 350g e mede cerca de 17 cm da cabeça ao rabo, o  que significa que o tamanho aproximado do bebé é de um pimentão ou de uma banana.
Fases Da Gravidez
6º Mês: menino ou menina?

Esta é uma das alturas mais emocionantes da gravidez. A barriga cresceu e deixa de ser possível disfarçar por mais tempo. E se até aqui ainda não tinha sentido os movimentos do bebé, a partir da Semana 21 também o bebé deixa de passar despercebido.

Neste período, realiza-se a segunda ecografia da gestação, conhecida como ecografia morfológica, que põe à prova os palpites dos pais, amigos e familiares sobre o sexo do bebé. A ecografia morfológica permite descobrir se o bebé é menino ou menina!

Exames médicos

A ecografia morfológica realiza-se entre as 20 e as 23 semanas. Tem como principal objetivo avaliar as estruturas anatómicas do feto, tentativa de detetar eventuais malformações e determina o sexo do bebé.

Desta ecografia fazem parte a visualização do crânio, sistema nervoso central, face, tórax, coração, coluna , entre muitos outros. Caso se detete alguma malformação pode ser necessária a realização de exames adicionais, como o ecocardiograma ou a amniocentese.

Em casos excecionais, como a suspeita de malformação cardíaca, a existência de história familiar de cardiopatias, ou a ingestão de fármacos, pode ser necessário um ecocardiograma fetal. Este exame consiste na realização de uma ecografia detalhada ao coração, realizada geralmente por um cardiologista pediátrico. Segundo a lei portuguesa, é permitida a interrupção médica da gravidez em caso de malformação grave até às 24 semanas de gestação.

Desenvolvimento do Bebé

Por esta altura, o bebé desenvolve ciclos de sono e vigília próprios e independentes dos da mãe. O corpo torna-se vez mais proporcional. Começam a surgir as sobrancelhas e os cabelos, e os órgãos amadurecem, diferenciam-se e crescem. Às 24 semanas, o peso é de cerca de 600 g, atingindo um tamanho aproximado de uma espiga de milho.
7º Mês: sentidos apurados

É, geralmente, uma fase de grande bem-estar. Os movimentos fetais são muito percetíveis.
A barriga cresce notoriamente e é recomendado o uso de cinta ou faixa adaptadas à gravidez que ajudam a suportar o peso da barriga e exercem um reforço lombar importante para a manutenção da estática da coluna.

Nesta fase da gravidez é importante ter o cuidado de dormir sempre de lado e evitar a posição deitada com a barriga para cima, uma vez que o peso do feto e do útero são consideráveis e podem comprimir os vasos sanguíneos que passam atrás do útero comprometendo a normal circulação.

Sintomas

Neste fase, os movimentos são muito mais percetíveis.  A barriga cresce e é recomendado o uso de cinta ou faixa adaptada à gravidez, que ajuda a suportar o peso. Esta faixa exerce um reforço lombar importante para a manutenção da coluna.

Por esta altura, é importante ter o cuidado de dormir sempre de lado e evitar a posição deitada com a barriga para cima. O peso do feto e do útero são consideráveis e podem comprimir os vasos sanguíneos, comprometendo a normal circulação.

Acompanhamento médico

Está na altura de realizar as segundas análises da gravidez. Estas incluem o rastreio da diabetes gestacional, uma intolerância aos açúcares que pode trazer algumas complicações, sendo a macrossomia fetal (fetos excessivamente grandes) a mais frequente.

Controla-se geralmente com dieta e exercício físico, sendo excecional a necessidade de medicar com insulina.  Em regra, a diabetes gestacional resolve-se com o final da gravidez. Contudo, se for diagnosticada, implica um maior risco de desenvolver diabetes tipo 2 mais tarde na vida.

Desenvolvimento do feto

O feto começa a desenvolver os sentidos: a audição, o tato, o olfato e o paladar. E, graças a isso, reage a estímulos externos, como música, voz ou luz intensa.

As pálpebras começam a abrir e o bebé acumula gordura por baixo da pele. Aumenta, por cada semana cerca de 85g, chegando às 28 semanas com cerca de 1 Kg. O bebé assemelha-se a uma batata às 25 semanas e a uma beringela grande às 28 semanas.
8º Mês: aumenta a barriga

Nesta fase, perto do final da gravidez, o bebé vai ganhando cada vez mais peso e a barriga cresce de dia para dia.

Sintomas

Embora para a maioria das grávidas este seja um período de bem-estar e pouco incomodativo, fique atenta a estes sintomas:

  • Dor nas costas. É frequente e deve-se ao peso da barriga sobre a coluna. Um modo de reduzir a dor é usar a cinta de gravidez que ajuda a corrigir a postura. É recomendado o alongamento dos músculos dorso-lombares, uso de calçado confortável, evitar estar em pé parada durante longos períodos e aplicar calor local nas costas.
  • Pernas inchadas. O inchaço deve-se ao fato do útero dificultar o retorno do sangue dos membros inferiores para o coração. Parar reduzir este desconforto, deve repousar com as pernas elevadas e usar meias de descanso.
  • Obstipação. Deve-se ao fato da progesterona, a hormona que se encontra em concentrações elevadas durante a gestação, ser relaxante para os músculos na parede do intestino. Por outro lado, o próprio volume uterino também dificulta a progressão das fezes. Este problema pode melhorar com algumas medidas gerais, como beber pelo menos 1,5 a 2 litros de água por dia, aumentar o consumo de verduras, fibras e algumas frutas (kiwi e ameixa) e manter um estilo de vida ativo.

Desenvolvimento do bebé

Mais de metade dos fetos já se encontra de cabeça para baixo nesta fase. O cérebro distingue-se cada vez melhor, abre e fecha os olhos e é mais sensível a estímulos sensoriais.

O tamanho do bebé aumenta cerca de 200g por semana, chegando às 32 semanas com cerca de 900g -1000g. O tamanho aproximado assemelha-se ao de uma meloa.
Gravidez-semana-a-semana-aumenta-barriga
9º Mês: a voz da mãe

É normal sentir alguma ansiedade à medida que o parto se aproxima. É importante que relaxe e que se prepare para o parto, mantendo sempre o pensamento positivo.

Nesta fase, o aumento de peso pode motivar o cansaço ao fim do dia, a retenção de líquidos e os pés inchados. Pode sentir ainda mais dificuldade em dormir por já não encontrar posição para acomodar a barriga.

Sintomas

Nesta fase a barriga é proeminente e gera desconforto e limitações à mobilização. Os sintomas mais comuns nesta fase são os seguintes:

  • Perturbações do sono. Podem surgir por dificuldade de posicionamento. É essencial que durma de lado. Experimente colocar uma almofada entre os joelhos de modo a sentir-se mais confortável.
  • Azia e pirose. Estes sintomas referem-se à sensação de ardor / queimadura no estômago e no esófago. São queixas muito frequentes que se devem à presença de refluxo gastroesofágico. Evite o consumo de alimentos gordos ou ácidos, não se deite ou incline para a frente após as refeições, durma com a cabeceira da cama ligeiramente elevada e evite ingerir líquidos em grandes quantidades de uma só vez.
  • Hemorroidas. Para alívio das hemorroidas podem usar-se pomadas locais que minoram o desconforto embora não as tratem em definitivo. Se as hemorroidas se tornarem extremamente dolorosas e tumefactas, consulte rapidamente o seu médico pois pode tratar-se de uma trombose hemorroidária, situação que necessita de uma pequena mas urgente intervenção cirúrgica.

Acompanhamento e exames médicos

A ecografia do 3º trimestre é realizada por volta das 32 semanas e tem como objetivos avaliar a posição do feto, estimar o peso, a localização da placenta e os sinais de bem-estar, como o líquido amniótico, os movimentos fetais, respiratórios e a avaliação da circulação fetal.

As últimas análises de sangue e urina são, também, realizadas por volta das 32 semanas. Estes exames incluem os rastreios das principais doenças infeciosas como o Vírus da imunodeficiência Humana (VIH), a hepatite B, a sífilis, a toxoplasmose e as infeções urinárias.

Entre as 35 e as 37 semanas deve realizar-se uma colheita de exsudado vaginal e retal para pesquisa de estreptococos do grupo B. Esta bactéria, que não é agressiva nem para a grávida nem para o feto durante a gravidez, pode ser perigosa para o recém-nascido se for contaminado durante o parto. 

Desenvolvimento do bebé

A maioria dos órgãos está já a funcionar e os movimentos continuam frequentes e amplos. Por esta altura, o bebé é capaz de reconhecer a voz da mãe. Continua a aumentar de peso a um ritmo de 200 g/semana, atingindo o tamanho aproximado ao de uma alface.
O grande dia chegou!

O parto está muito perto e a qualquer momento o bebé pode nascer. As visitas à maternidade ou ao hospital tornam-se mais frequentes (semanais) para garantir o acompanhamento do bebé e da grávida nesta fase final.

Tudo se prepara para o nascimento. Os órgãos encontram-se maduros e diferenciados para assegurarem as suas funções na vida extrauterina. A pele é agora menos transparente e  rugosa, e os movimentos podem tornar-se menos amplos por falta de espaço. O aumento de peso médio é de cerca de 70 g por semana e o bebé é aproximadamente do tamanho de uma abóbora.

Chegou a hora? Os sintomas

Às 37 semanas inicia-se o termo, ou seja, é a idade gestacional a partir da qual é normal o bebé nascer. Nesta fase, as contrações podem ser percecionadas com frequência e intensidade.

Nas últimas semanas de gravidez, pode sentir-se desconfortável e ansiosa pelo nascimento do bebé. No entanto, em condições normais, o parto não deve ser provocado (induzido) antes das 41 semanas. A perda do rolhão mucoso, conhecida como “bolsa de água”, não obriga a procurar de imediato o seu médico.  É apenas um sinal de que o colo do útero se está a preparar para o parto, podendo antecedê-lo por horas ou mesmo dias.

Os sinais ou os sintomas que devem levá-la à Maternidade são:
  • Contrações regulares de 5 em 5 ou 10 em 10 minutos, durante, pelo menos, 1 hora
  • Perdas de sangue por via vaginal
  • Perdas de líquido por via vaginal
  • Diminuição ou ausência de movimentos do feto
Os movimentos fetais devem ser contabilizados pela grávida e há duas formas de o fazer:
  • Avaliação subjetiva de que o feto se mexe dentro do habitual e segundo o seu ritmo
  • Contagem objetiva do número de movimentos fetais desde que acorda. O 10º movimento deve ocorrer antes de terem passado 12 h.
Caso constate uma diminuição subjetiva ou objetiva dos movimentos deve dirigir-se à maternidade.

Agora é hora de desfrutar do dia mais importante da sua vida! No Continente, encontra o que precisa para aproveitar esta altura.