Mitos e Verdades sobre Gravidez

Etapas da Gravidez

Mitos e Verdades sobre a Gravidez

Existem vários mitos e verdades sobre a gravidez, por exemplo que azia na gravidez é sinal de bebé cabeludo. Saiba mais!
No que toca à gravidez e aos bebés, todos têm sempre alguma opinião ou verdade absoluta pronta para gerar ainda mais confusão neste que já é um momento sensível e especial para as mulheres prestes a tornarem-se mães. Importa, pois, desconstruir alguns mitos e verdades sobre a gravidez.

Verdade ou mito?

 
Confira alguns dos principais mitos associados à gravidez.

O exame do toque pode provocar o parto?

Não

O exame do toque permite ao profissional avaliar a evolução da gravidez, a dilatação do colo do útero e a apresentação do bebé.

Azia na gravidez é sinal de bebé cabeludo?

Não

A azia está associada a alterações hormonais e diminuição do espaço que os órgãos têm no abdómen devido ao crescimento do feto.

A grávida deve comer por dois?

Não

Deve manter uma alimentação saudável e equilibrada para prevenir o excesso de peso que predispõe ao aparecimento de doenças.

O formato da barriga indica o sexo do bebé?

Não

Não há qualquer evidência científica que relacione o formato da barriga com o sexo do bebé.

Andar a pé ajuda a induzir o parto?

Caminhar não desencadeia propriamente o trabalho de parto, mas promove o afinamento e amadurecimento do colo do útero.

A grávida pode beber café?

Sim

Desde que não exceda a quantidade recomendada que atualmente é 200mg por dia.


Mitos da gravidez

 
Certamente já ouviu frases como: “A mãe deve comer por dois”. Ou que a azia significa que irá ter um bebé cabeludo. Contudo, nem tudo o que ouve repetidamente significa que é mesmo verdade.

Se está grávida – e mesmo se não está – saiba que cada gravidez é diferente e nem sempre tudo acontece de igual forma com todas as mulheres.

Muitos dos mitos associados à gravidez não têm fundamento científico e são apenas baseados na dita sabedoria popular. Por isso, na dúvida, fale sempre com os profissionais de saúde que a acompanham, que serão as pessoas indicadas para desconstruir algumas destas questões.

Mitos sobre amamentação

 
Amamentar é um momento de grande intimidade e ligação entre a mãe e o bebé, mas pode também ser uma questão muito sensível. Muitas mães questionam-se, inclusive, se serão capazes de o fazer.

Um dos grandes mitos sobre a amamentação prende-se com a qualidade do leite, será que o leite materno é fraco? Todas as mães produzem leite com os nutrientes necessários para alimentar o seu bebé. Pode, porém, existir uma reduzida produção de leite e, nesse caso, deve aconselhar-se com um profissional de saúde conselheiro em aleitamento materno, que ajudará a ultrapassar este desafio.

Outro dos grandes mitos ligados à amamentação é de que se deve oferecer os dois seios ao bebé. Porém, nem sempre é assim. Idealmente após a subida do leite, deve oferecer-se uma mama e só após a esvaziar, se sentir que o bebé ainda tem fome, deve oferecer-se a outra. Caso o bebé esvazie uma mama e apenas se ofereça um pouco da segunda, na mamada seguinte deve-se iniciar por esta última para que se esvazie completamente.  . Isto porque ao longo da mamada e durante a ejeção de leite, este vai variando nutricionalmente.

Outro mito comum é dizer-se que o bebé tem de ser alimentado a cada 3 horas. Quando o bebé é alimentado exclusivamente por leite materno, o que prevalece é a livre demanda, ou seja, não existem horários fixos ou rigorosos, deve ser oferecida mama sempre que o bebé apresentar sinais de fome.

A grávida pode comer sushi?


Um dos temas chave da gravidez diz respeito à alimentação. Neste campo o sushi salta frequentemente para o topo da lista dos alimentos proibidos. Mas será mito ou verdade?

Sim é verdade, mas não é um sim absoluto. O grande risco do sushi reside no peixe cru que pode conter parasitas e bactérias que aumentam a probabilidade de doenças, o que pode acontecer com qualquer pessoa, mas na grávida o impacto é mais significativo e nefasto. Por outro lado, a maioria dos peixes utilizados no sushi tem alto nível de mercúrio, que aumenta a probabilidade de alterações no feto, destacando-se por exemplo o atum.

Assim, este alimento deve ser evitado na gravidez, mas quando ingerido a grávida deve ter alguns cuidados como: preferir peças vegetarianas ou cozinhadas, o peixe deve ser previamente congelado para eliminar parasitas e bactérias e deve escolher um local de confiança com altos padrões de higiene.

Comer camarão e marisco na gravidez faz mal? 


Da mesma forma, as grávidas também não estão proibidas de comer marisco durante a gravidez. Contudo, tal como o peixe, o camarão e o marisco, quando mal cozinhados, podem originar intoxicações gastrointestinais e, por outro lado, podem conter altos níveis de mercúrio. Assim, sempre que comer camarão ou qualquer tipo de marisco assegure-se de que estão bem cozinhados e deve fazê-lo com moderação.