Alimentos

Pão: a base de uma dieta equilibrada

O pão é um alimento rico em vitaminas, hidratos de carbono e fibras, um elemento essencial para uma dieta diversificada e saudável. Descubra tudo sobre as vantagens e propriedades dos vários tipos de pão.

O pão é uma ótima fonte de hidratos de carbono e de fibras, essenciais a uma alimentação equilibrada. Estas são as principais vantagens e propriedades do pão.

Os benefícios do pão

O consumo regular de pão tem alguns benefícios inesperados. Para além de ser uma excelente fonte de energia, pode ser um aliado na manutenção de um peso saudável.

Regulação do sistema nervoso


O pão pertence ao grupo dos cereais e derivados, e é uma importante fonte de fibra, minerais como fósforo, magnésio, selénio e potássio, e vitaminas, principalmente B1. Desta forma, os nutrientes presentes no pão contribuiem para a normal produção de energia e para o normal funcionamento do sistema nervoso.

Manutenção de peso saudável

Se consumido na quantidade recomendada, o pão ajuda a manter um peso saudável. O pão pode fazer integrar planos alimentares de perda de peso devido à sua riqueza nutricional e capacidade saciante. Para além disso, dependendo dos ingredientes utilizados, o pão, pode ter um baixo valor calórico quando comparado com os seus substitutos.

Por exemplo, uma fatia de pão ou uma carcaça de 50 g contêm cerca de 135 kcal e apenas 1 g de açúcares. Já 6 bolachas Maria contêm cerca de 150 kcal e 8 g de açúcares. O pão por si não engorda, muitas vezes o problema está nos acompanhamentos e recheio do mesmo. O que se acrescenta ao pão pode aportar grandes quantidades de calorias e nutrientes com poucos benefícios para a saúde.

Fonte de energia

O pão é uma ótima fonte de hidratos de carbono, nomeadamente os de absorção lenta. Os hidratos de carbono fornecem energia ao organismo e regulam os níveis de açúcar no sangue.

Breve história do pão

milhares de anos que o pão faz parte do regime alimentar da Humanidade.

O trigo já era cultivado pelo homem antes do advento dos registos históricos. Os antropólogos pensam que o homem primitivo colhia o trigo e o guardava para uso posterior.

Este cereal surgiu na Mesopotâmia e no Egito, onde era provavelmente apenas mastigado. De forma orgânica, os grãos ficavam húmidos e germinavam, produzindo ainda mais sementes.

Os primeiros pães devem ter sido feitos a partir de grãos e sementes colhidos de plantas selvagens. Mais tarde descobriu-se que os grãos podiam ser moídos e que a farinha daí resultante podia ser misturada com água. Há cerca de seis mil anos essa mistura era moldada com a forma de “bolos”, que se deixavam a secar ao sol ou que eram cozidos em fornos primitivos.

Os egípcios desenvolveram um forno de barro, cilíndrico, para melhorar a técnica e os romanos secavam o fermento que depois mergulhavam em água quando precisavam de o juntar a novo fermento. O ideal romano de bem-estar baseava-se no consumo regular de pão, razão pela qual era considerado mais importante do que a carne.
 
Tipos de pão

Para além de ser um alimento saudável para consumir a qualquer altura do dia, atualmente existem pães com os mais diversos ingredientes, desde trigo, milho, espelta ou alfarroba, passando também pela adição de sementes ou frutos secos.

Os diferentes tipos de pão dependem da farinha e dos restantes ingredientes utilizados.

De uma forma geral, os ingredientes essenciais no fabrico do pão são a farinha, a levedura, a água e o sal. Para além destes ingredientes, o pão pode conter outros ingredientes, de forma a melhorar as suas caracteristicas sensoriais e a aceitabilidade do consumidor, como é o caso do açúcar, das gorduras, sais minerais e reguladores de pH. Também podem ser adicionados sementes ou frutos secos.

A farinha pode ser classificada de acordo com o cereal utilizado (ex: aveia, trigo, arroz, milho), o modo de extração (ex: integral, rama) e os tipos (variação da acidez e/ou teor de cinzas). As farinhas têm um número que indica o seu grau de peneiração (grau de refinação) e quanto maior for o número do tipo de farinha menor é a peneiração, ou seja farinhas com maior número (menos refinadas) preservam mais nutrientes.
Quanto mais amassada for a mistura de farinha, água e fermento, mais duro e compacto ficará o resultado final. Se o pão fermentar durante mais tempo, o miolo fica mais esponjoso. Outra característica interessante é o forno em que é cozido: se for a lenha, a côdea será mais estaladiça e dourada, por oposição aos fornos industriais ou a gás.

Como consequência, é possível encontrar uma enorme variedade de pães à disposição. Estes são os mais tradicionais:

Pão de Trigo

É produzido com farinhas resultantes da moagem do grão de trigo. Podem ser utilizadas farinhas mais ou menos refinadas, com mais ou menos casca, obtendo-se assim pães mais escuros ou mais claros. Os pães pequenos, leves e de miolo fofo, com côdea crocante e estaladiça, são predominantemente pães de farinha de trigo.

Pão integral
É composto por farinha de trigo do tipo 150 ou com farinha de centeio do tipo 170, ou seja farinhas menos refinadas e com maior riqueza nutricional e teor de fibra.

Pão de mistura

É produzido com farinhas de trigo , de centeio e de milho ou apenas com farinhas de dois destes cereais e devem ter uma proporção minima de 10% de farinha de cada cereal.

Pão de centeio

É composto por farinhas de centeio e trigo, sendo a primeira utilizada em maior proporção.

Pão de milho

Também conhecido como broa de milho, é elaborado com farinha de milho e farinha de trigo. Também pode conter farinha de centeio, embora seja menos usual.

Pão regional

É um produto baseado em receitas ancestrais, influenciadas pela produção de cereais e pelo meio ambiente da região, muitas vezes associadas a costumes e culturas locais.

Pão rústico

Produzido com farinha de trigo tipo 110, que lhe confere um tom acastanhado e um sabor característico da longa fermentação.

Pão de espelta

Produzido com 100% farinha de espelta, possui também farinha de tremoço e sementes de girassol e de sésamo.

Pão antiox

Produzido com farinha de trigo integral e com frutos vermelhos: arandos e groselhas.

Pão com quinoa

Produzido com sementes de quinoa vermelha, papoila, linhaça, girassol e sésamo.

Pães regionais

Num país tão rico como o nosso, cheio de sabores com tradição, cada região tem também as suas variedades de pão – os chamados de pães regionais. Diferenciam-se pela forma, cor, gosto e textura do miolo e aspeto da côdea.

Broa de Avintes

Pão castanho-escuro e muito denso, com um sabor distinto e intenso, agridoce, feito com farinha de centeio e de milho.

Broa de milho

Produto típico do norte de Portugal, é a broa típica, rica em cor e sabor a milho.

Pão alentejano

Pão de côdea rija e grossa, miolo compacto e de sabor com alguma acidez.

Pão de Mafra

Pão de massa muito hidratada, cozido em forno de alvenaria.

Bolo do caco

Pão de trigo de crosta fina, típico da região da Madeira.

Pão de Rio Maior

É um pão de trigo cozido a lenha em fornos de alvenaria, de côdea estaladiça e miolo macio, húmido e saboroso.

Não é o pão que engorda, mas os recheios escolhidos podem fazer a diferença


No Continente, oferecemos todos os dias aos nossos clientes uma gama alargada de pão. Desde os mais tradicionais aos pães regionais, passando por uma deliciosa variedade de novas receitas, encontre connosco o seu pão favorito.

Como consumir pão 

Recomenda-se um consumo diário de 4 a 11 porções de cereais, derivados ou tubérculos, sendo que uma porção de pão corresponde a 50 gramas (mais ou menos uma fatia)

Para o conseguir, existe uma enorme variedade de formas de consumir pão: com a companhia de sabores salgados ou doces, ingrediente principal de uma sobremesa ou de uma sanduíche ou simplesmente a acompanhar as refeições principais do dia.

Mas o primeiro passo é mesmo saber escolher.
  • Pode optar por um pão com uma côdea mais densa ou fina, mas deve sempre apresentar-se estaladiça.
  • Quanto mais densa for a côdea, menor a desidratação do miolo.
  • Uma cor mais escura, é sinónimo de maior percentagem de fibra e o miolo pode apresentar-se mais fechado ou alveolado.
Para conservar o pão, guarde-o na sua embalagem original (de plástico) em local seco e fresco. Certifique-se que o saco fica bem fechado. Pode optar por guardá-lo numa caixa de pão ou simplesmente em saco de pano. Também pode congelá-lo para aumentar a sua durabilidade.


Inclua pão na sua alimentação

O pão, pelas suas propriedades e nutrientes, deve ser consumido numa base diária, parte integrante de uma alimentação rica e diversificada. No Continente, encontra uma enorme variedade de opções de pão, dos mais tradicionais aos regionais.