Queijos

Os Principais Benefícios do Queijo

Os principais benefícios do queijo e quais os diferentes tipos, texturas e sabores de Queijo que existem no mercado.
O queijo é um alimento valioso do ponto de vista nutricional, pois é rico em proteínas de elevado valor biológico e excelente fornecedor de cálcio, tornando-se num alimento de destaque para todas as idades. Conheça a breve história do queijo, bem como os seus tipos e benefícios associados.

Benefícios do queijo


O queijo é um alimento que apresenta muito sabor, vitaminas e minerais. É de destacar a elevada presença de cálcio, um mineral que é facilmente assimilado e utilizado pelo nosso organismo. Das vitaminas e minerais mais importantes no queijo destacam-se:
  • Vitamina A: fundamental no processo de visão, na pele e para o cabelo.
  • Vitamina B2: essencial no crescimento e reparação dos tecidos, é crucial nos processos de obtenção de energia por parte do corpo humano.
  • Vitamina B12: que contribui para a formação dos glóbulos vermelhos do sangue e, por isso, para a prevenção do aparecimento de certos tipos de anemia. Além disso, suporta o funcionamento correto do sistema nervoso.
  • Fósforo: um mineral que participa na constituição dos ossos e dentes.
  • Cálcio: ajuda na manutenção da saúde óssea, prevenindo doenças como a osteoporose e os benefícios do cálcio dosprodutos lácteos parecem ser eficiente do que o cálcio presente em suplementos alimentares.
  • Zinco: papel vital no metabolismo proteico e sistema imunitário.
Segundo a Roda dos Alimentos, a recomendação diária de queijo é de uma porção correspondente a meio requeijão (100g), um quarto de queijo fresco (50g) ou duas fatias finas de queijo (40g).

Tipos de Queijo


Os queijos podem ser distinguidos e classificados, segundo vários parâmetros como:
  • O estado de cura, que se pode apresentar sob a forma de queijo fresco ou curado (com ou sem ação de bolores). 
  • A composição, que corresponde à presença, ou não, de adição de géneros alimentícios diferentes do alimento.
  • A consistência, que é classificada consoante a percentagem de humidade presente em cada tipo de queijo (pasta mole, semimole, semidura, dura ou extradura).
  • A matéria gorda, que é diferenciada com base na percentagem de matéria no extrato seco.
A enorme variedade de queijos é possível em função do tipo de leite, teor de gordura, bactérias e leveduras, técnicas de produção, tempo de maturação e aromatizantes utilizados (ervas, especiarias, etc.).

Queijos de pasta mole
Queijos que surpreendem pela deliciosa textura que se derrete na boca, como o queijos Serra da Estrela, o Brie ou o Camembert. Pode encontrar queijos mais suaves ou com carácter mais forte para quem os apreciar.

Queijos semi-mole a dura
São os queijos mais consensuais com sabores que podem ir de suaves a intensos, como o caso do Gouda, Cheddar e até do nosso Flamengo.

Queijo duros a extra duros
São queijos com maturações mais longas que permitem desenvolver as suas características em pleno, resultando e sabores mais fores. São exemplos disto o Parmiggiano Regiano, o manchego e o nosso São Jorge.

Queijos Azuis
Resultam da adição de fungos específicos que lhes conferem cor, sabor, aroma e textura singulares. O queijo Brie e Camembert sofrem maturação de fora para dentro, devido ao bolor branco. Nos queijos azuis, como o Roquefort e o Gorgonzola, o bolor desenvolve-se de dentro para fora do queijo, à medida que este amadurece e confere-lhe a tonalidade azul ou esverdeada.

Designações como “light” não significam que o queijo seja magro.


História do queijo


Apesar de não se saber em que época a produção de queijo teve a sua origem, as evidências sugerem que é um dos alimentos mais antigos conhecidos da humanidade. É, por exemplo, anterior à manteiga.

Na Idade Média, o fabrico dos queijos ocorria somente nos mosteiros católicos, onde as receitas estavam a cargo dos monges. Sabe-se que o desenvolvimento do consumo deste alimento ocorreu durante o século XIX, devido à descoberta da pasteurização e à transição para o fabrico industrial.

Como consumir queijo


Dê preferência a queijo que apresente um teor de gordura baixo. Para tal, é importante verificar a informação por 100g e não só por porção, pois essa pode ser variável.

Tenha especial atenção a designações como “light”, pois isso não significa que o queijo seja magro. O significa é que o queijo teve uma redução de, pelo menos, 30% no seu valor calórico.

Pessoas com colesterol, que apreciem consumir queijo, devem ter em consideração que a gordura do queijo é, essencialmente, saturada. Pelo que se deve optar por opções como o queijo fresco magro.

O consumidor intolerante à lactose não necessita de excluir todos os laticínios da sua alimentação. Existem determinados tipos de queijos que desdobram a lactose em glicose e galactose, sendo mais facilmente digeridos pelo organismo. Contudo, se o seu grau de intolerância for elevado, poderá optar pelas versões sem lactose.

O que é que o Queijo tem?


Apesar do elevado teor de gordura, presente em vários tipos de queijo, este alimento ancestral é também rico em proteínas, vitaminas e minerais essenciais para o organismo. Através de uma alimentação completa e equilibrada, o queijo deve ser consumido com moderação para forncer cálcio ao organismo, pois o cálcio tem efeitos positivos na prevenção de doenças como a osteoporose.