Mel
Alimentos

Mel: um adoçante natural

Conheça os benefícios do mel, os diferentes tipos existentes, as suas propriedades e como utilizar na cozinha.
O mel é um adoçante natural por excelência, com menor teor glicémico do que o açúcar branco, amarelo ou mascavado. É um alimento rico em sabor, mas também com grandes benefícios para a saúde, não só pelos seus efeitos antioxidantes, como também pelo impacto positivo cardiovascular e no colesterol. Em moderação, torna-se uma ótima alternativa para adoçar os seus cozinhados.

As vantagens de consumir mel

O mel é um ótimo ingrediente para adoçar de forma natural as refeições. Em comparação com os açúcares branco, amarelo ou mascavado, o mel apresenta um índice glicémico ligeiramente inferior, uma vez que possui água na sua composição (18,5%).

O mel de boa qualidade apresenta muitas substâncias importantes com propriedades antioxidantes, nomeadamente ácidos fenólicos e flavonoides. O efeito antioxidante é conhecido cientificamente pelo seu impacto na redução de problemas como enfartes agudos do miocárdio (ou ataques cardíacos) e acidentes vasculares cerebrais, as duas maiores causas de morte por doença cardiovascular em Portugal.

Este impacto positivo cardiovascular poderá ocorrer de diversas formas:
  • Redução da pressão arterial, importante fator de risco cardiovascular.
  • Dilatação das artérias do coração e, consequentemente, maior fluxo sanguíneo.
  • Prevenção na formação de coágulos sanguíneos, que podem desencadear complicações cardiovasculares.
  • Redução do colesterol total e LDL, conhecido tipicamente como o colesterol “mau”.
  • Aumento do colesterol HDL, conhecido tipicamente como o colesterol “bom”.
  • Redução dos triglicéridos, fator de risco cardiovascular e também associado a insulinorresistência.
Além dos benefícios cardiovasculares, os compostos antioxidantes também são associados a uma redução em certos tipos de cancro, além de promoverem a saúde dos olhos.

Por fim, o mel é também conhecido por aliviar a tosse de crianças com infeções respiratórias superiores (pode ser usado com exceção das crianças com menos de 1 ano de idade pelo risco de botulismo).

Tipos de mel

O mel é produzido pela abelha melífera ou abelha-europeia a partir do néctar que recolhe das flores. Depois, esse néctar é transformado pelas enzimas digestivas das abelhas e armazenado em favos nas colmeias.

Em função das flores de onde é extraído o néctar, o mel pode apresentar uma coloração que vai desde o incolor ao amarelo, ou mesmo ao castanho. Deste modo, a cor dos vários tipos de mel não se traduz num indicador da sua qualidade.

Existem também inúmeras variedades de mel, com diferentes aromas, sabores e consistências, uma vez mais devido às plantas de onde é extraído o néctar e também em função da localização geográfica dessas mesmas plantas e do tipo de abelhas produtoras.

Monofloral

Quando o néctar provém de uma única flor, diz-se que o mel é monofloral. De entre os vários tipos de mel monofloral destacam-se os de acácia, rosmaninho, tomilho, laranjeira, eucalipto, girassol, rosas, urze, castanheiro, trevo, medronheiro e alfarrobeira.

O mel é um ótimo ingrediente para adoçar de forma natural as refeições


Em rigor, não haverá mel monofloral. No entanto, a presença de outro néctar em pequena quantidade não altera de modo significativo o aroma, a cor e o sabor de um mel produzido essencialmente a partir do néctar de determinada flor. 

Plurifloral

Quando o mel provém de mais do que um tipo de flor, diz-se que é plurifloral.

A breve história do mel

O mel é um alimento que acompanha o Homem desde tempos imemoriais e sempre teve um papel importante nos nossos hábitos alimentares, pelas suas aplicações gastronómicas e pelos seus benefícios para a saúde.

As suas menções mais antigas datam de 2100 A.C., pelos povos da Suméria e da Babilónia, mas também nas escrituras sagradas da Índia e do Egito. Todas estas sociedades viam o mel como um alimento de alta importância.

Desde os tempos do Antigo Egito que o mel é usado sobre as feridas e queimaduras. Uma revisão de 26 estudos demonstrou que o mel é particularmente eficaz em queimaduras de segundo grau (que atingem a camada da derme) e feridas que infetam após uma cirurgia. Parece ser também um tratamento eficaz também nas feridas de pés diabéticos. Pensa-se que este impacto nas feridas advém das propriedades antibacterianas e anti-inflamatórias do mel.

Foi o primeiro produto usado pelo Homem como adoçante nas refeições e era altamente valorizado e utilizado recorrentemente como forma de moeda de troca, ou até mesmo como oferenda ou tributo. Por exemplo, no século XI, a plebe germânica pagava aos senhores feudais através de mel e cera produzido por abelhas.

Como consumir mel

O mel é uma alternativa para adoçar os cozinhados que confere não só sabor doce mas também aromas, o que pode levar a que seja utilizado em menor quantidade do que outros adoçantes menos aromáticos.

Na quantidade está o segredo. Sabe-se, atualmente, que a ingestão elevada de açúcares simples está associada ao desenvolvimento de doenças crónicas, como a diabetes tipo 2 e a obesidade, por isso, tal como para os outros açúcares simples, o mel deve ser ingerido com moderação.

Na cozinha, o mel pode ser usado com praticamente qualquer método culinário. O seu sabor maravilhoso destaca-se, tanto sobre uma maçã, como espalhado ao longo de uma bolacha ou misturado com iogurte. Pode ser também usado como adoçante em chás ou outras bebidas.

Para cozinhar, use o mel a partir do frasco. Se necessitar de fazer medições precisas, pode usar spray para untar na colher antes de a colocar no frasco de mel. Assim, deslizará facilmente da colher. O mel pode ser usado na maioria das receitas em alternativa ao açúcar, no entanto, irá afetar a textura da comida, especialmente em alimentos que vão ao forno, que poderão ficar mais densos e húmidos.

Tenha atenção que o mel derrete muito mais rapidamente que o açúcar tradicional, razão pela qual deve reduzir ligeiramente a temperatura do forno. Além disso, o mel tem, por norma, um sabor mais doce que o açúcar tradicional. Sempre que cozinhar com mel deve substituir cada colher de açúcar por meia colher de mel, para evitar que a sua receita fique demasiado doce.

O mel pode ser encontrado numa loja Continente perto de si, numa grande variedades proveniente de  apicultores e produtores locais.

Como conservar

O mel é um alimento que pode ser facilmente conservado. Basta deixá-lo num local fresco, sem contacto direto com o sol. Deve ser utilizado preferencialmente o frasco original de vidro ou plástico do produto. Se por acaso o mel começar a cristalizar, não é problemático. Simplesmente, coloque água quente no frasco e misture com o mel.


O mel é um ótimo adoçante natural

O mel é capaz de substituir os açúcares tradicionais utilizando um menor teor glicémico. Apesar de recomendado um consumo moderado deste produto, o mel pode ter benefícios na saúde, especialmente pelo seu efeito antioxidante e impacto a nível cardiovascular. Escolha a sua forma preferida de o consumir e utilize-o como preferir nas suas receitas.