Saúde e Higiene do Bebé

Tiques nervosos em crianças

Pediatra Paulo Oom

Prof. Paulo Oom

Paulo Oom, médico pediatra e pai de cinco filhos, faz parte da Sociedade Portuguesa de Pediatria e da Direcção do Colégio de Pediatria da Ordem dos Médicos. É autor de vários livros na área da pediatria como "O Livro dos Pais", "Não te volto a dizer!" e "O Infectário", da Matéria Prima Edições.

Algumas crianças podem desenvolver tiques nervosos. Perceba o porquê e saiba como agir nestes casos.

O que são os tiques nervosos?
Os tiques nervosos são movimentos repetitivos de alguns músculos, habitualmente da face, pescoço ou mãos (tiques motores) ou ruídos e sons incontroláveis (tiques vocais).

Exemplos de tiques motores:
  • Pestanejar
  • Movimentar a cabeça
  • Franzir a testa
  • Sacudir os braços
  • Encolher os ombros
  • Saltar
  • Mexer os lábios ou a língua

Exemplos de tiques vocais
  • Ruídos, conhecidos como a limpeza da garganta
  • Dar estalinhos com a língua
  • Fungar
  • Grunhir
  • Imitar constantemente sons dos animais

Como podem surgir estes tiques?
Os tiques nervosos surgem nas crianças entre os 4 e os 12 anos, sendo que a média se concentra no período dos 7-8 anos. Chegando à adolescência, estes tiques podem ganhar uma maior intensidade.

Os fatores que levam ao desenvolvimento de tiques motores ou vocais prendem-se, na grande maioria, com situações de stress, ansiedade, excitação ou de cansaço.

O que fazer se a criança desenvolve tiques nervosos?
Os tiques nervosos são movimentos são involuntários, rápidos e recorrentes, pelo que não vale a pena os pais estarem a repreender constantemente a criança.

Na verdade, estar sempre a chamar a criança à atenção, pode até prolongar os tiques nervosos, fazendo com que eles durem mais tempo e não desapareçam.

O mais correto a fazer é tentar desvalorizar ao máximo estas situações. O tempo irá ajudar a criança a perder os tiques nervosos.

Caso verifique que estes tiques persistem e/ou se agravam, deve procurar o aconselhamento e ajuda profissional, nomeadamente o pediatra que já acompanha a criança.

Conclusão: os tiques nervosos são movimentos involuntários e repetitivos, que surgem normalmente na infância e adolescência. Em situações de maior stress, ansiedade ou fadiga, estes movimentos tendem a agravar-se.
Os pais devem reconhecer os tiques da criança e evitar expô-la a este tipo de situações. Podem ainda fazer com que a criança pratique exercício ou outras atividades lúdicas, uma vez que os tiques tendem a diminuir quando a criança está focada ou a desempenhar alguma tarefa.
Pediatra Paulo Oom

Prof. Paulo Oom

Paulo Oom, médico pediatra e pai de cinco filhos, faz parte da Sociedade Portuguesa de Pediatria e da Direcção do Colégio de Pediatria da Ordem dos Médicos. É autor de vários livros na área da pediatria como "O Livro dos Pais", "Não te volto a dizer!" e "O Infectário", da Matéria Prima Edições.