Aprendizagem e Divertimento

Crescimento infantil: a importância das curvas do percentil

Neste vídeo, exploramos uma das ferramentas mais importantes para avaliar o crescimento infantil: as curvas do percentil. Fique a saber o que são e como podem ajudar a acompanhar a evolução do bebé.

As curvas do percentil são extremamente úteis pois permitem comparação de uma criança com outras crianças saudáveis.


O que são e como devem ser lidas as curvas do percentil?

A avaliação do crescimento infantil tem como principal objetivo diagnosticar e prevenir patologias e perturbações nutricionais que acarretem problemas à criança.

Na avaliação da saúde e bem-estar da criança, as medidas de crescimento, e respetivas curvas, são uma das principais ferramentas utilizadas pelos profissionais de saúde.

A construção destas curvas aconteceu ao longo de décadas. É fruto do trabalho conjunto de muitos investigadores que analisaram analisar um grande número de crianças e mediram todas as suas características, incluindo o peso e a altura.

A palavra percentil deriva de percentagem. Um percentil é uma medida estatística e representa cada uma das partes de 100 partes iguais de um conjunto. Assim, se o pediatra indicar que o seu filho está na curva 25 da altura, por exemplo, tal significa que, em 100 crianças saudáveis com a idade e sexo do seu filho, 75 serão mais altas e 24 serão mais baixas do que ele.


Quais são as curvas de percentil mais utilizadas para acompanhar o crescimento infantil?

Existem mais de 100 curvas diferentes de percentil. Mas, por uma questão de simplificação, no boletim clínico da criança aparecem apenas as curvas referentes ao peso, altura, perímetro cefálico e Índice de Massa Corporal (ou IMC, que relaciona a altura com o peso):
- Comprimento/altura – do nascimento aos 5 anos; (Peso – do nascimento aos 5 anos;

- Índice de Massa Corporal – do nascimento aos 5 anos;
- Perímetro cefálico – do nascimento aos 2 anos;
- Altura – dos 5 aos 19 anos;
- Peso – dos 5 aos 10 anos;
- Índice de Massa Corporal – dos 5 aos 19 anos.

No entanto, mais importante do que a comparação de uma criança com a média estabelecida pela curva, é a proporção entre os valores e a sua evolução. O pediatra irá verificar se os vários percentis do bebé, sobretudo o peso e a altura, estão adequados entre si e se são equilibrados ao longo do tempo, embora sejam normais acelerações e desacelerações.


Como as curvas do percentil acompanham o crescimento infantil

A correta leitura e interpretação das curvas do percentil é essencial para evitar preocupações infundadas. Que a criança se encontre num percentil alto ou baixo não é necessariamente motivo de risco para a saúde. Na verdade, apenas para percentis acima do 97 ou abaixo do 3 há maior probabilidade (e não certeza) de doença.

Da mesma forma, comparações com outras crianças, mesmo que sejam os irmãos, são inúteis, já que o importante é que a curva da própria criança seja mais ou menos paralela à média, seja acima ou abaixo dela. O próprio percentil da criança pode variar ao longo do tempo.


Conclusão: as curvas do percentil são um instrumento útil para acompanhar o crescimento infantil, desde que bem interpretadas

As curvas de percentis são instrumentos fundamentais para avaliar o crescimento das crianças e jovens, mas há que saber interpretá-las. Acreditar que um percentil elevado é melhor que um baixo corresponde a pensar que uma criança pequena é pouco saudável e uma grande muito saudável, o que não está correto.